Lei que institui a data de 1º de junho como o Dia Estadual do Forró foi sancionada pelo governador.

Forró, baião e humor marcaram a noite em que a Paraíba oficializou o Dia Estadual do Forró e recebeu a Jornada Gonzagueana 2008, um projeto itinerante que percorre o Brasil reverenciando o Rei do Baião Luiz Gonzaga. A Lei que institui a data de 1º de junho como o Dia Estadual do Forró foi sancionada pelo governador Cássio Cunha Lima nesta terça-feira, às 22h30, no Teatro Paulo Pontes, da Fundação Espaço Cultural. A lei é de autoria do deputado Ivaldo Morais.

A sanção aconteceu durante a Jornada Gonzagueana 2008 que incluiu a entrega do Troféu Asa Branca 2008 ao poeta, ex-governador e ex-deputado federal Ronaldo Cunha Lima e ao escritor, pesquisador da obra de Gonzagão e Juiz de Direito, Onaldo Queiroga.

Antes da solenidade e de um show com o sanfoneiro Joquinha Gonzaga e o humorista e cantor João Cláudio Moreno, foi aberta na Galeria Archidy Picado, a exposição “Rumo ao Centenário de Luiz Gonzaga do Nascimento” O evento é uma realização conjunta da Fundação Vovô Januário, fundada por Luiz Gonzaga em 1983 e do Governo do Estado através da Fundação Espaço Cultural (Funesc).  A exposição fica na capital até dia 25 próximo e em seguida seguirá para Campina Grande. A programação da Jornada Gonzagueana começou às 10 horas da manhã, com uma missa solene na Catedral Metropolitana de João Pessoa.

Na noite da terça-feira, uma platéia seleta lotou o teatro Paulo Pontes e vivenciou momentos de emoção no tributo a Gonzagão. A família do ícone da música nordestina e brasileira que integra currículo de disciplina na Universidade de Oxford, na Inglaterra, esteve representada no evento pela irmã do Rei do Baião, Chiquinha Gonzaga, 82 anos, o sobrinho Sérgio Gonzaga, filho de Chiquinha que após 22 anos nos Estados Unidos mora hoje em João Pessoa; além de um outro sobrinho do mestre, o sanfoneiro Joquinha Gonzaga, que tocou grandes sucessos do tio e algumas músicas suas, acompanhado pelo trio paraibano Tamborete de Forró. Chiquinha, ao lado do filho Sérgio e do sobrinho Joquinha, encantou o público dançando e cantando.

A segunda parte do show ficou por conta do cantor e humorista João Cláudio Moreno, do Piauí, conhecido nacionalmente a partir de personagem na Escolinha do Professor Raimundo, da TV Globo. O artista interpreta muito bem músicas com voz idêntica a Luiz Gonzaga. Em seu show prestou homenagens à Paraíba citando grandes nomes da cultura e da política paraibana: Ariano Suassuna, Ronaldo Cunha Lima, Paulo Pontes, Elba Ramalho,  Raimundo Asfora, Jackson do Pandeiro, Marinêz, João Pessoa,  Assis Chateaubriand, dentre outros nomes.

Sobre a Lei que cria o Dia do Forró o governador Cássio Cunha Lima afirmou que a iniciativa do deputado Ivaldo Morais deixa uma data marcada, o 1º de junho, para que se possa reverenciar a mais genuína expressão da cultura musical nordestina e paraibana, que é o forró.

O governador saudou a todos que fazem a Fundação Vovô Januário e revelou que teve o privilégio de conhecer Luiz Gonzaga.  Destacou que a homenagem ao poeta Ronaldo Cunha Lima e ao juiz Onaldo Queiroga, com o Troféu Asa Branca, é justa, pela contribuição que os dois têm dado à cultura nordestina. Cássio disse que ter seu pai homenageado é uma emoção especial. Destacou que, de fato, a partir da criação do Parque do Povo e do Maior São João do Mundo, Ronaldo contribuiu com a valorização do forró, do baião, da cultura nordestina. E outras capitais na região passaram a investir em grandes eventos juninos no formato de Campina. Onaldo Queiroga, segundo o governador, é um verdadeiro pesquisador da obra de Luiz Gonzaga e também é merecedor do Troféu Asa Branca.

Cássio aproveitou para anunciar que Campina Grande ganhará uma unidade da Casa do Artista Popular, com a assinatura do arquiteto Oscar Niemeyer. Será construída às margens do açude velho, bem próxima à estátua de Jackson do Pandeiro e Luiz Gonzaga. A obra terá o formato de três pandeiros estilizados e lá também funcionará o Museu Jackson do Pandeiro e de Luiz Gonzaga, além de espaço para Marinêz.

O poeta Ronaldo Cunha Lima afirmou que é muito gratificante a homenagem que tem como patrono Luiz Gonzaga: “A alma se enfeita e o espírito se rejubila”, disse, acrescentando que “esta noite de emoção, na memória não se apaga, ficará como um baião tocado por Luiz Gonzaga”.

O juiz e pesquisador da obra de Luiz Gonzaga, Onaldo Queiroga, revelou que dividir a homenagem com o poeta Ronaldo o deixa feliz. Foi Ronaldo quem criou o Parque do Povo e o Maior São João do Mundo e isto contribuiu muito com o resgate da cultura nordestina. Onaldo  Queiroga define Luiz Gonzaga como sendo um nordestino, sertanejo autêntico que deve ser espelho para muita gente. Gonzagão criou o Parque Asa Branca justamente para ser um espaço de preservação do baião, do forró, do repente, da cultura de raiz do Nordeste. Na Paraíba, Pinto do Acordeon, é, segundo Onaldo, o maior representante do forró autêntico, levando esta cultura para outras gerações.

A irmã do Rei do Baião, Chiquinha Gonzaga, com lúcidos 82 anos de idade, disse que estava vivendo uma noite especial em João Pessoa, nesta homenagem a Luiz Gonzaga. Acrescentou que o evento reflete a riqueza cultural nordestina. Depois de morar 52 anos no Rio, ela reside em Recife há 6 anos, mas, revelou que está adorando a capital paraibana e pensa até em vir morar aqui. Seu filho, Sérgio Gonzaga, cantor, compositor e produtor musical, revela: “É muito importante ser sobrinho de Gonzaga, filho de Chiquinha e participar dessa história musical. É importante mostrar para o mundo que o Nordeste é um país dentro do Brasil onde começou uma história fundamental com relação à música brasileira “e nós estamos trabalhando para manter viva isto”, disse.

Fonte: Paraiba.pb.gov.br